Valéria Schena recebe o título de mestre em educação pela UFSC

A professora da Fafiuv defendeu sua tese no dia 5 de dezembro

 

            Com um sorriso de orelha a orelha, a professora do curso de pedagogia da Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e letras (Fafiuv), Valéria Aparecida Schena, olha para o relógio e diz: “- Exatamente neste horário, às 14h, do dia 5 de dezembro, na sala de reuniões da sede da UFSC, eu defendi a minha dissertação de mestrado. Foi algo inesquecível.”
            Com estas palavras, a professora, agora mestre em educação, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), define um dos momentos mais importantes de sua carreira profissional. O título veio acompanhado de uma realização pessoal. Há dez anos, a professora se dedica ao ensino das séries iniciais. O envolvimento com o assunto resultou no título da sua tese: Condições das atividades pedagógicas das professoras dos anos iniciais. A tese foi orientada pela professora da UFSC, Dr. Vânia Beatriz Monteiro da Silva.

Inspiração
            A tese de mestrado da professora Valéria é uma mistura de magia, emoção e conhecimento. A cada nova idéia, um novo parágrafo foi ganhando vida. Cada linha foi inspirada na paixão por lecionar e no projeto T-40: Contação de Histórias, que é realizado por 20 acadêmicas de pedagogia da Fafiuv e coordenado pela professora. Ela afirma que a tese foi sendo modelada desde março deste ano.
           
Metodologia
            Além de consultas em livros, Internet e troca de experiências com profissionais da área, a metodologia ganhou um aliado fundamental. A professora Valéria afirma que foi o dia-a-dia ao lado das crianças que impulsionou o desenvolvimento do trabalho. “Como motivação inicial trago o contato com as crianças dos anos iniciais. Esta é uma prática que desenvolvo ao longo de dez anos de atuação como professora”.
            O projeto Contação de Histórias foi desenvolvido em três Núcleos de Educação de Porto União; Jornalista Hermínio Millis, Fernando Sobral e Jangada do Sul (bisseriada). Duas vezes por semana, as acadêmicas e professoras de pedagogia se deslocaram para as escolas onde eram recepcionadas por, em média, 200 alunos. De acordo com a professora, as próprias escolas serviram de cenário para o desenrolar do projeto. “Cada contação de história veio acompanhada de uma inspiração para nós, e de conhecimento para as crianças”.
            Dividido em três etapas, o projeto contou primeiramente com a contação de contos de fada. Para cada história, um novo cenário foi elaborado. Eram casinhas de um lado. Árvores de outro. E, é claro, que não poderiam faltas as deslumbrantes fantasias e expressivas maquiagens. “Cada história foi trabalhada de maneira lúdica. O resultado de satisfação dos alunos pode ser comprovado através de olhares atentos e curiosos e também dos comentários de encantamento”, acrescenta a professora.
            Na segunda etapa, foi a vez das fábulas entrarem em cena. A educadora explica que a fábula é uma narrativa, cujos personagens são geralmente animais e que apresenta uma  lição moral, com o objetivo de aguçar e construir uma visão crítica sobre determinados assuntos para os alunos.
            Na terceira etapa, os alunos criaram as suas próprias histórias. Com base no que aprenderam durante as apresentações do projeto, os alunos escreveram e apresentaram as suas histórias.

Desafios
            Durante a aplicação do projeto, vieram os desafiosDe acordo com a professora Valéria, foram elaborados vários cenários, mas devido a alguns deslocamentos para as escolas, foi necessária, algumas vezes, a improvisação de cenários. “As acadêmicas improvisavam e as crianças adoravam. Era aí que o imaginário entrava em cena”.
Resultados
            O projeto T – 40 resultou, além da aprovação da professora Valéria no mestrado, no encantamento dos alunos pela contação de histórias. Em novembro, durante uma análise feita pelas acadêmicas e professoras, ficou comprovado que atividades teóricas não podem caminhar sem as atividades práticas. Ambas se completam. “As crianças teceram um novo olhar sobre a contação de histórias. Em vários momentos, elas puderam entender que a história não se configura somente numa leitura, mas sim numa representação e articulação do que o personagem faz, neste caso o cunho moral. Todos estes elementos trouxeram ingredientes para a construção de saberes dessas crianças. Ficamos muito realizadas de ouvir das professoras, que seus alunos obtiveram um bom retorno de texto e leitura através do projeto. A experiência foi muito gratificante e positiva”.
            O projeto terá continuidade em 2009. A idéia é expandir a Contação de Histórias também para os alunos do município de União da Vitória.

 

Fotos:

Professora Ms., Valéria Aparecida Schena

 


Equipe da Contação de Histórias

 




Professora Valéria durante a defesa da tese de mestrado, juntamente com as professoras da banca examinadora

 

 

Assessoria de Comunicação Fafiuv
Coordenadora: Patrícia dos Santos de Souza
Acadêmica: Wannessa Stenzel 

Praça Coronel Amazonas, S/N - Centro Cx. P. 291 - CEP: 84600-000 - União da Vitória - PR - Fone/Fax: (42) 3521-9100