Professora da FAFI receberá Troféu “Mulheres de Ciência – Glaci Zancan”

           A Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI, prestará uma homenagem as mulheres cientistas e educadoras do Paraná, com a entrega do Troféu “Mulheres de Ciência – Glaci Zancan”. A comunidade acadêmica da FAFI, representada pelos membros do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão – CEPE indicou para receber o referido Troféu a Profª Leni Trentim Gaspari, por entenderem que a mesma preenche os requisitos indicados pela SETI. Na sequência transcrevemos o texto que traça o perfil dessa educadora, escrito pelo profº Jefferson William Gohl, membro integrante do CEPE.

Leni Trentim Gaspari
           A filha do casal Armando Trentim e Herminia Silva Trentim se fez talhada para a função do magistério, no período em que o magistério ainda congregava por parte da sociedade uma aura de status e respeito devotado. A presença de modelos de professora e mulher deve e muito ter contribuído para uma orientação profissional ligada a educação. O começo de sua atuação no Ensino Fundamental no início da década de 1960 se deu na Escola Bernardina Scheleder de União da Vitória, uma atividade de meio período ministrando a disciplina que o contexto histórico solicitava: Estudos Sociais. Disciplina esta que só mudaria nos meados da década de 1980 para a disciplina de História, mas aí já haviam passado outras escolas pela história da professora Leni: A escola Clementina Lona Costa e o Colégio Túlio de França.            Obteve sua Graduação pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras - FAFIUV na primeira metade da década de 1970. A competência no atributo de suas funções junto às escolas ficou demais evidente e novos desafios se colocaram a ela. A entrada no Núcleo Regional de Educação de União da Vitória marcou um conjunto de atividades de coordenação dos pólos de magistério sob o apoio pedagógico do Núcleo. A inserção nas atividades do Ensino Superior seria um passo natural na construção da carreira desta mulher singular. Especialista e Mestre pela Universidade Estadual de Ponta Grossa erigiu um currículo invejável por quem quer que aspire um lugar no meio acadêmico do Vale do Iguaçu.
           Contando com cerca de vinte e dois anos de trabalho pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras, atuou como professora, Chefe de Departamento, Coordenadora de inúmeros projetos, participou de Conselhos e Comissões com finalidades administrativas e pedagógicas. Foi uma das Fundadoras e Diretora-Presidente do Instituto de Ensino, Pesquisa e Prestação de Serviços (IEPS) e tendo assumido a Vice-direção da instituição cargo que ocupa até hoje, sua folha de serviços compreende desde 1987 uma soma de atividades que esteve ligada sempre aos vários aspectos que a Universidade tem como prioritárias. A atuação junto ao ensino, sempre com o denodo típico de uma personalidade centrada na promoção humana, ministrou aulas em diversas cadeiras do curso de História, algumas vezes com cargas horárias expressivas sem nunca ter se afastado totalmente desta atividade. Junto à extensão deu o pontapé inicial ainda em 1993, quando ofertava seus cursos de formação às professoras do magistério e de integração com as séries iniciais, segue até hoje envolvida em inúmeros projetos extensionistas ofertados por seu Colegiado.
           E a pesquisa! A pesquisa, merece um comentário a parte. Possuindo publicações de variados artigos desde 2001, nas revistas da instituição e fora dela,  contando com uma inserção na sociedade tendo publicado em periódicos locais de ampla circulação.Tendo publicado um livro em que as mulheres e a educação formam um foco de preocupações. Este retrata modelos de formação e de sociabilidade feminina durante as décadas de 1940 e 1950 sem descurar com a história da cidade. A história local ganhou inúmeros textos significativos ao longo de sua carreira acadêmica, sendo que atualmente e é fonte para propostas recentes que integram pesquisa, ensino e extensão junto ás escolas de formação docente.  Publicou capítulo de livro conjunto ao Colegiado de História. As praças, o trem, os desfiles, a mulher, a memória e a História são um conjunto de temas que de forma recorrente impelem sempre a um novo desafio teórico e educacional. Os trabalhos acadêmicos e resumos de comunicações publicados em anais, de eventos os mais variados, se contam em mais de uma dezena espalhados pela sua trajetória. Com mais de cinqüenta acadêmicos orientados em diversos trabalhos de pesquisa, sem mencionar aqueles que tiveram a supervisão de estágio efetuada pelas suas mãos, que seriam incontáveis, se pode tranquilamente afirmar que sua influência para a sociedade União Vitoriense é extremamente significativa, pois forja ideais de busca ao saber e referenciais positivos quanto a utilização do conhecimento. Integrante da Academia de Letras do Vale do Iguaçu goza de prestígio no meio intelectual desta sociedade como poucos.
           O reconhecimento institucional e por parte da comunidade acadêmica se expressa de maneira natural, tendo vista que a atividade de gestão  no cargo ocupado pela segunda vez na Vice-Direção ocorre de forma a contemporizar os excessos e harmonizar o ambiente de trabalho. O tema da pesquisa de gênero desenvolvida oferece o tom de um lugar natural quanto à ocupação deste lugar de poder tão “masculino” que se feminiliza e mostra a graciosidade com que se pode administrar, pesquisar, ensinar, atender e enfim simplesmente ser mulher.


Profº Jefferson William Gohl

 

 

Praça Coronel Amazonas, S/N - Centro Cx. P. 291 - CEP: 84600-000 - União da Vitória - PR - Fone/Fax: (42) 3521-9100