“Escorpiões andam assustando as pessoas de nossas cidades”

          Em muitas regiões e redondezas de União da Vitória vêm sendo registrados focos de escorpiões. A origem destes animais remonta centenas de milhões de anos atrás, sobrevivendo a todo tipo de mudança do planeta, sendo presente tanto na era dos dinossauros e no surgimento do homem na face da Terra. Portanto, tal grupo apresenta alta capacidade de adaptação em diversos ambientes, inclusive desertos e regiões urbanas.
          Existem centenas de espécies de escorpiões, mas para nós em particular só interessa, por enquanto, o Tityus serrulatus, conhecido como escorpião amarelo, por ser mais comum em casos de acidentes urbanos graves registrados não apenas no Paraná e Santa Catarina, mas também na Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Goiás.
           Estes aracnídeos se alimentam apenas de animais vivos, ou seja, eles têm que caçar a sua refeição, como exemplo a barata que é um dos seus alimentos prediletos. Escorpiões vivem em média 5 (cinco) anos, atingindo a maturidade sexual por volta de 1 ano e meio. Comumente na população de T. serrulatus observa-se apenas fêmeas e a reprodução ocorre por partenogênese, um tipo de reprodução sexuada especial com participação de apenas gametas femininos.
          O grupo de maior risco em acidentes com estes aracnídeos são crianças, pessoas idosas e pessoas alérgicas. O principal sintoma em acidentes escorpiônicos é a dor que pode ser localizada ou não. O veneno atua principalmente sobre o sistema nervoso podendo ocorrer morte por insuficiência cardíaca e respiratória; náuseas, vômitos, sudorese e agitação podem estar presentes entre os sintomas. Em casos de acidentes a pessoa agredida deve ser encaminhada imediatamente para o Pronto Socorro, pois só uma avaliação médica poderá determinar se existe necessidade de aplicação de soro anti-escorpiônico.
          Não existe nenhum veneno comprovadamente eficaz contra este animal. O uso de venenos tem provocado até aumento de aparecimento de escorpiões, pois estes os irritam e os desalojam.
          Lixo, entulho e sujeira, somados à umidade criam um ambiente perfeito para a fixação de escorpiões. O escorpião é “astucioso”, podendo esperar escondido por dias, semanas, meses; pode simular uma perfeita ausência, principalmente no inverno e nos seus meses precedentes e seguintes. De repente, no verão, ele aparece dentro dos globos de luzes pendentes do teto, no banheiro completamente azulejado e ladrilhado, em tomo do tanque ou no quintal.
          O escorpionismo pode ser prevenido através de uma série de cuidados e medidas que diminuem grandemente o risco de contato direto involuntário com um escorpião, como por exemplo:
1 ) Não por as mãos nuas em buracos no solo, sob pedras, troncos podres ou pedaços de madeira, tijolos e telhas empilhadas. Em regiões sabidamente escorpiônicas, deve-se proteger as mãos com luvas de raspa de couro para executar as tarefas acima.
2) Evitar o acúmulo de materiais, entulhos e restos de construção próximos às residências. Nos jardins, evitar folhagens densas (trepadeiras, bananeiras, etc.) junto às casas e manter a grama aparada.
3) Em regiões escorpiônicas, a telagem dos ralos ou qualquer outra forma de sua vedação, impedirá uma de suas principais vias de penetração nas residências. A lavagem destes locais com água quente pode contribuir para evitar o problema.
4) Manter as residências livres de baratas, manejando corretamente o lixo doméstico para que não crie ou atraia barata.
5) Em zonas rurais e casas de campo, atenção com pilhas de lenha e sacudir roupas e sapatos antes de usá-los. Colocar as camas a, no mínimo, 10 cm das paredes.


           “O aquecimento global e o desmatamento ajudaram a levar o escorpião-amarelo às grandes cidades. Mas o crescimento desordenado das periferias em direção a áreas de mata e o acúmulo de lixo e entulhos perto das casas também preocupam”.

 

Biólogo e Professor Ms. Clovis Roberto Gurski, coordenador e professor do Curso de Ciências Biológicas da FAFI e professor da UNIUV

 

img4610e38676b14.jpg

Praça Coronel Amazonas, S/N - Centro Cx. P. 291 - CEP: 84600-000 - União da Vitória - PR - Fone/Fax: (42) 3521-9100